Pense em uma artista completa: engajada com causas e movimentos sociais, trabalhada no carisma e na simpatia e dona de uma potência vocal invejável. Esta é Alicia Keys, que voltou ao Rock in Rio neste domingo (17), quatro anos depois de sua última apresentação no festival – e cumpriu seu papel de forma arrebatadora.

Muito participativa com o público, a cantora nova-iorquina arriscou palavras em português e se mostrou muito à vontade com a plateia brasileira. Junto com seus ótimos músicos de apoio, Alicia passou a maior parte do tempo no piano, onde puxou canções como o cover de Prince (um de seus compositores favoritos), “How come you don’t call me” – que, aliás, deu imenso destaque à voz de sua backing vocal, deixando a própria cantora como admiradora.

Foto: Fábio Tito/G1

Mas o som de Alicia caminha por diversas vertentes. É difícil definir um único gênero para uma cantora que performa músicas com toque pop, soul, jazz, gospel e até mesmo samba e reggae, ritmos que deram início e embalam a apresentação de “You don’t know my name”.

Além disso, o show também teve um protesto político. Até então realizado apenas por artistas nacionais, Alicia surpreendeu ao convocar um grupo de músicos brasileiros, comandados pelo percussionista Pretinho da Serrinha, e a líder indígena Sônia Guajajara, antes de cantar a música “Kill your mama”, que alerta sobre a violência contra a natureza. “Existe uma guerra na Amazônia”, disse a cantora, que também deu espaço à fala de Sônia, que fez um discurso contra a exploração mineral da reserva Renca, no Pará.

Foto: Fábio Tito/G1

A noite seguiu com outras canções de prestígio, como “If I Ain’t Got You” e “Fallin”, mas foram as últimas que trouxeram o público totalmente de encontro à artista. Antes de começarem seus maiores hits, Alicia recebeu o Dream Team do Passinho no palco. Vale lembrar que, em 2013, a nova-iorquina recebeu a cantora Maria Gadú na apresentação de “Fallin”.

Junto com o poderoso coro do público e com o mar de lanternas de celulares acesos na plateia, “Girl on fire”, “No one” e “Empire State of Mind (part 2)” – sendo que ela mudou a letra de “New York” para “Rio” – fecharam com chave de ouro uma apresentação poderosa e extremamente agradável. Deu para perceber a alegria e a satisfação de Alicia durante todo o show – assim como a nossa.

Foto: Fábio Tito/G1

 

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.