A Billboard divulgou a sua lista de melhores e piores apresentações do American Music Awards 2017, que aconteceu neste domingo (19), em Los Angeles, que consagrou Bruno Mars como o grande vencedor da noite, incluindo o Artista do Ano.

Veja a lista abaixo com a tradução das escolhas:

17 – Hailee Steinfeld & Alesso feat. Watt & Florida Georgia Line, “Let Me Go”

“Cenário impressionante e muitas estrelas combinadas, mas apesar da sua lenta subida no Hot 100, em algum momento todos os envolvidos podem ter que reconhecer que “Let Me Go” não é realmente uma canção digna de seu faturamento quadruplo.”

16 – Macklemore feat. Skylar Grey, “Glorious”

“Macklemore nunca pareceu tão fino como ele estava em seu terno e parabéns a Skylar Grey por fazer do Saturday Night Live e do AMA suas noites de retorno. No caso não foi uma performance que altere a opinião de qualquer pessoa sobre o artista ou a música.”

15- Christina Aguilera, “I Will Always Love You” / “I Have Nothing” / “Run To You” / “I’m Every Woman”

“A homenagem de Christina Aguilera ao 25º aniversário do lendário trabalho de Whitney Houston na trilha sonora de Bodyguard teve um início duro com o “I Will Always Love You”. Ela ganhou fundamento durante as quatro músicas do medley, no entanto, com o “Run To You” cantada lindamente e “I’m Every Woman” sendo a celebração certa, ela exclamava ‘Nós te amamos Whitney! O melhor! Meu ídolo!’.”

14 – Nick Jonas, “Find You”

“Certamente uma performance vaporosa, tanto no sentido literário e figurativo. O vocal talvez seja um pouco demais para Nick realmente brilhar, mas a música se traduziu muito bem no palco. Estamos esperando que o desempenho dê a “Find You” o impulso que precisa para começar a encontrar o caminho para nas rádios pop.”

13- Niall Horan, “Slow Hands”

“Difícil de estragar “Slow Hands”, Niall fez justiça ao single, embora fosse difícil de se concentrar na performance com o chapéu do tamanho dos de Pharrell Williams que ele estava usando. Temos que amar o homem imitando seu próprio apoio ‘WHOO’.”

12- Shawn Mendes, “There’s Nothing Holdin’ Me Back”

“A música está se tornando o verdadeiro hino das temporada de prêmios de final de ano. Shawn Mendes entregou outra performance do seu top 10 hit com o mesmo clímax que ele entregou no EMA. Mendes ainda trouxe a energia e pareceu que ninguém está cansado da música: a filha de Jamie Foxx sabia a letra, assim como a maioria do público.”

11- Lady Gaga, “The Cure”

“Vestindo um terno com mais detalhes que uma roupa de Rick James, Lady Gaga começou sua versão despojada de 2017 com o single “The Cure” no piano, antes que a música explodisse no EDM depois do primeiro refrão. Teria sido interessante ouvir tudo como uma balada dramática, mas a performance era muito explosiva, ganhando as fileiras de faíscas que foram disparadas no final.”

10 – Kelly Clarkson, “Miss Independent” e “Love So Soft”

“Kelly Clarkson fez a coisa certa com a apresentação de seu último single “Love So Soft”. Ela aprecia e soava como uma verdadeira diva no seu soul-pop single, atingindo uma das maiores notas da noite. Um pouco confuso com a escolha da música “Miss Independent” e não “A Moment Like This”.”

9- P!nk & Kelly Clarkson, “Everybody Hurts”

“Duas artistas tão grandes como P!nk e Kelly Clarkson precisam de mais espaço para trabalhar. Mas a perfomance foi inegavelmente poderosa, as duas vozes se misturaram lindamente. Neste ponto, qualquer performance de alto estilo que tenta desenhar um hino moderno da era pop-rock e não usa “Hallelujah” ganha ponto pela criatividade.”

8- Demi Lovato, “Sorry Not Sorry”

“Não foi diferente do que Demi Lovato apresentou no EMA, mas a segunda vez não foi menos importante do que a primeira. A música anti-ódio da internet pareceu bem intencionada mas um pouco tachada, especialmente porque nenhuma introdução ou fala poderia ser tão poderosa quanto a própria voz ou a presença de palco de Demi. BTS certamente estava vibrando na audiência.”

7- Portugal. The Man, “Feel It Still”

“‘Nenhum computador, só instrumentos ao vivo’, era a mensagem atrás de Portugal. The Man no começo de “Feel It Still”. Foi uma boa performance para a banda por trás do hit surpresa de 2017, com um bom momento ao vivo e uma sensação divertida de algo legitimamente alternativo.”

6- Khalid & Imagine Dragons, “Young, Dumb & Broke” / “Thunder”

“Uma colaboração estranha por show parece ser bem justo, principalmente porque Khalid e Imagine Dragons se misturaram bem com suas músicas pop, com uma sobreposição melódica decente. As ‘crianças’ no fundo usando máscaras de animais e baterias em suas mesas eram talvez um pouco Pink Floyd mais do que o necessário, mas a performance ainda era uma das mais energéticas da noite.”

5- BTS, “DNA”

“A energia é impressionante e legitima. Demorou muito desde que tivemos uma nova boyband de língua inglesa, onde a coreografia e a performance era a prioridade, que você esquece quão poderosa se torna no palco. (Inúmeros fãs chorando na platéia também ajudam com isso.) ‘Preciso de um momento para me recuperar dessa performance – isso foi incrível’, comentou Jared Leto depois de ter terminado, e fazia sentido que ele faria.”

4- Zedd & Alessia Cara, “Stay”

“A reinvenção completa que Gaga insinuou com a performance de “The Cure”, mas não se comprometeu muito com, Alessia Cara e Zedd reduziram o seu EDM para apenas piano, cordas e vocais. Para uma música que o rádio parecia determinado a tocar na maior parte de 2017, a performance deu uma nova cara para “Stay”, enquanto provava o talento de Alessia Cara no vocal e Zedd no piano, para quem nunca se preocupou em descobrir seus talentos antes.”

3- Diana Ross, Medley (“I’m Coming Out” / “Take Me Higher” / “Ease on Down the Road” / “Best Years of My Life” / “Ain’t No Mountain High Enough”)

“Parecendo real como sempre, Diana Ross também parecia bastante fantástica, realizando uma mistura de alguns de seus números individuais – mesmo optando por uma dupla de menos conhecidos por fãs casuais (incluindo “Take Me Higher” de 1995), mostrando o que é surpreendente a quantidade de sucessos passados que ela tem que escolher. Aos 73 anos, com os netos no palco, é um pouco absurdo que demorou tanto tempo para receber tal honra das AMAs (como afirmou não menos as autoridades Barack e Michelle Obama, em um vídeo de homenagem pré-filmado), mas pelo menos ela provou no palco que está longe de ser muito tarde.”

2- Selena Gomez & Marshmello, “Wolves”

“Selena construiu um legado impressionante no AMA nos últimos anos, somando-se a este ano com uma intensa colaboração com Marshmello, na performance de “Wolves” que realmente dá à produção relativamente leve, um novo golpe e intriga. Destaque para Marshmello na bateria e um guitarrista menos anônimo, mas muito necessário, para adicionar textura, embora a estrela aqui ainda fosse, sem dúvida, Selena, investindo na performance como uma peça teatral, tornando-a inesperadamente incompreensível.”

1- P!nk, “Beautiful Trauma”

“Difícil de julgar uma performance da P!nk de forma justa, já que você está ocupado demais pegando o queixo do chão sobre como ela está fazendo isso para realmente dar a performance vocal uma análise justa e objetiva. Mas na verdade, mesmo que seja fácil dizer que, quando você executa um balé aéreo a vários metros de altura, você obtém o título de Melhor Desempenho da noite, não importando como você soa. O que faz da Pink uma artista tão especial é que não importa o local, ainda é sobre os vocais primeiro, e a performance de “Beautiful Trauma” teria sido tão fascinante do chão. O tempo indicará onde ela se classifica ao lado de suas outras performances de prêmios e shows de todos os tempos, mas ela, sem dúvida, está a caminho de estar na discussão para os grandes vencedores de todos os tempos a esse respeito, independentemente.”

Concordam com as escolhas da Billboard? Você pode conferir os vencedores do American Music Awards 2017 e as performances aqui.

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.